Fonte: Observatório do Massacre | Imagens: Elielson Silva

Publicado em 31.05.2017

Movimentos de trabalhadores e trabalhadoras rurais clamam por justiça no 7º dia do massacre em Pau d’ Arco. Realizado no final da tarde desta quarta-feira, 31, em frente ao Tribunal de Justiça do Estado do Pará, o ato foi marcado pela indignação e por denúncias do aumento dos casos de violência contra camponeses no interior do estado.

Grandes empresas e proprietários de terras avançam, cada vez mais e com o apoio das polícias e bancadas parlamentares, sobre as terras, as florestas e ecossistemas que representam os principais meios de trabalho e sustento dos agricultores e extrativistas amazônicos. Contaminam as águas, desgastam e poluem os solos, destroem a fauna e a flora, aniquilam práticas e crenças, desfazem leis e medidas de proteção em nome do avanço do capital.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No decorrer da semana que seguiu ao anúncio da matança em Pau d’ Arco, diferentes comissões ligadas ao parlamento estadual e aos ministérios públicos apresentaram questões e fortes indícios que descartam a possibilidade de confronto entre policiais militares, civis e trabalhadores.

Relatos de sobreviventes e parentes das vítimas também indicam as condições de barbárie das mortes: perfurações de balas nas costas, nas nádegas, nos crânios por trás, além de indícios fortes de tiros à queima-roupa. A cena do crime foi desfeita, os cadáveres das vítimas foram transportados de forma inadequada e desrespeitosa, as famílias foram impedidas de verem os corpos.

O sindicato de delegados e entidades de classe policiais insistem em desqualificar e desumanizar, por meio de entrevistas junto à imprensa local, as denúncias e as vítimas da chacina. O governador Simão Jatene, por sua vez, anunciou a isenção do governo até a finalização das investigações, ao mesmo tempo em que não constrange publicamente as manifestações convocadas em apoio aos policiais envolvidos com a chacina, veiculadas em mídias sociais com os logotipos das polícias ligadas ao Estado. Ou seja, demonstra ter sim um lado, que tende a ser o que abusa da violência, o que silencia, o que exclui e condiciona populações inteiras à condição social de marginalidade.

Para reforçar o processo de extermínio, o Senado Federal aprovou a Medida Provisória 759, que permitirá a entrega de milhões de hectares aos apetites do mercado imobiliário. Permitirá a criação de um mercado privado de terras a partir do acervo de terras públicas, patrimônio incalculável dos brasileiros e brasileiras. Da mesma forma que em Pau d’ Arco, assassinará brutalmente a reforma agrária ao mesmo tempo em que legitima a anistia a grileiros.

Do lado da sociedade está a própria sociedade. Está quem acredita que terra, trabalho, natureza e a vida humana não são meras mercadorias negociáveis, mas fontes de sustento, histórias, afetos, crenças, visões de mundo e compromissos entre gerações.

Para que esse atentado contra a sociedade, essa repetição de Eldorado dos Carajás não seja esquecida nem fique impune, gritemos juntos: NÃO PASSARÃO, NÃO PASSARÃO. Exigimos JUSTIÇA. Urgente.

Anúncios